A  primeira experiência  é algo que me encanta sempre:  a primeira coca-cola gelada do verão, a primeira vez que consegui fazer uma bola de chiclete, o primeiro beijo,  a primeira vez que transei, a primeira vez que fiquei bêbada e tantas outras.   Cada uma tem sua característica, sua história e uma sensação que ficam guardadas e merecem ser repetidas – ou não.

De todas elas, porém, nada me deixa mais intrigada do que o primeiro encontro.   Sim, porque não adianta o quanto você tente juntar experiências, o quanto você se prepare, é sempre uma surpresa quando você se predispõe a dar mais uma chance para encontrar o Cara Certo.  Depois de algumas tentativas, entre decepções e acertos,  cheguei a conclusão que este grande momento não é algo que depende do bom humor da Dona Sorte ou da artrite do Sr. Murphy.  Depende única e exclusivamente de nós e de como estamos nos sentindo.

Primeiro Encontro: Você está visualizando isso errado.

Não entendeu? Calma, Tia Isa desenha.  Se você está bem consigo mesma,  sentindo-se bonita, alegre e está predisposta a dar uma chance para o que a outra pessoa tem para te oferecer, melhor será o encontro.  Se você está se forçando a conhecer alguém novo – ou porque quer esquecer o ex, ou porque aquela amiga ficou insistindo no encontro às escuras com o cara incrível, ou ainda porque você não aguenta mais ficar sozinha – não adianta.   Um defeito vai aparecer, a comida vai ter gosto ruim e se tiver beijo, vai ter gosto de cabo de guarda-chuva.

Poderia ser simples assim, mas a coisa fica mais complexa.  O problema é que nem sempre sabemos identificar se estamos bem ou mal e aí, amiga, grandes oportunidades vão ralo abaixo ou acabamos nos metendo com um canalha pior que o Chris Brown.

Mas calma!  Nada se trancar em casa com um pote de Haagen Daaz Cookie para assistir o remake de Gabriela na sexta a noite.   Felizmente, existem alguns pequenos sinalizadores que vão te ajudar a se preparar para um primeiro encontro e, principalmente,  identificar se ele está sendo ruim por sua causa ou se o carinha do outro lado não vale a barra do seu Versace novo.

1.  Nem sempre a primeira impressão é a que conta.   Quantas vezes você comprou aquele vestido que ficou lindo em você na loja e quando foi usá-lo, mais tarde,  a sensação era de que ele magicamente encolheu ou perdeu a graça?  E o contrário?  Aquele frente única que você comprou só para ter no armário, um belo dia e uma segunda olhada serviram para transformá-lo na sua peça de roupa favorita?   No primeiro encontro é a mesma coisa.

Dê uma chance para seu novo pretê.  Deixe ele se esforçar para ser engraçado, interessante, conversador.  Foque nas qualidades dele.  O engraçado pode virar fofo.  E do fofo para o sexy, bem, não demora muito.  A não ser que o cara seja um canalha total,  dê a ele pelo menos quatro ou cinco encontros antes de tomar a decisão final de investir ou não.

2.  A primeira impressão NUNCA é a que conta.  Sim, a regra se repete.  Não caia nas graças de um primeiro encontro perfeito, onde tudo parece um conto de fadas.  A regra dos quatro, cinco encontros deve se manter também neste caso, por mais que você esteja morrendo de vontade de mudar seus status no Facebook e sair contando para todas as amigas que encontrou seu príncipe.   As vezes é preciso uma segunda olhada para ter certeza de que ele não é um sapo verruguento.  Eca.

E nada de dispensar o carinha legalzinho que você saiu na semana passada para ficar trancada em casa, checando seu IPhone a cada cinco minutos para ver se chegou mensagem do Lindão.   Volte ao primeiro conselho – já que está chovendo na sua horta, não é pecado sair com dois até se decidir por um.  É bom ter parâmetro de comparação.  Só não faça isso eternamente,  porque bem sabemos que quem tudo quer, tudo perde.  Safadeza tem limite, né, querida?

3 . Não busque a perfeição.  Todas nós queremos um Ryan Gosling ou um Bryan McFadden do nosso lado, mas tomemos uma dose do chá de realidade – nem sempre o Sr. Perfeito está disponível.   Então, nada de cortar o cara da lista só porque ele deixou escorregar um pedaço da batata sautée para fora do prato durante o jantar.  Quando a Julia Roberts fez isso com o Escargot, aposto que você achou engraçadinho – e ela era uma mulher, pelo amor de Victoria Esposa de Beckham.

A dica é focar no que você realmente busca em um relacionamento:  compreensão, carinho, cuidado.  Essas coisas que são capazes de fazer você feliz, sabe?  Pois é.  Que bom que você entendeu.

4.  O mesmo jamais será diferente.   Algumas vezes, mesmo que sem querer, acabamos repetindo o mesmo padrão.  Quando a sua BFF te mostra um carinha no bar,  você percebe que ele tem cabelo comprido demais, tem barba e está com a camisa aberta ao invés de gravata – não é o seu tipo.  Mesmo, Cláudia?   Como você pode ter tanta certeza se você nem parou para conversar com o moço?  Ele pode ser romântico, beijar bem, ser um excelente pai, amigo, compreensivo, ótimo de cama e tudo isso foi pro lixo porque naquele dia ele ainda não tinha cortado o cabelo e tirou o paletó para relaxar.  Lembre-se que o seu tipo é alguém que esteja exatamente como você está agora:  solteira.  E nada mais além disso.

Muito prazer.  Tá afim ou posso ir embora?!
Muito prazer. Tá afim ou posso ir embora?!

5. Um Encontro é nada mais que um Encontro.  Não faça do evento um show de Diva, com palco iluminado.  Não levante expectativas, não vá esperando absolutamente nada.  Antes de qualquer coisa, encontrar-se com alguém nada mais é que viver a vida.  É estar com uma pessoa que pode ser ou pode não ser o cara da sua vida.  É sobre se desafiar a passar algum tempo com alguém que você não conhece direito.  Significa experimentar algo novo e não perder tempo.  Essa é a última, porém mais importante regra.  Carpe Diem.  E tenho dito.

Albert Eistein já disse que “A definição de insanidade é fazer a mesma coisa várias e várias vezes e esperar que os resultados sejam diferentes”.   Então, amiga linda, chega de bancar a maluca, né?  Experimente o novo e dê uma chance para ele.  Você não vai se arrepender, eu garanto.  Beijocas sabor Hug Me da Loira!

Escrito por Isa Schulberg

Isa Schulberg é loira, escritora, jornalista e, nas horas vagas, é psicótica, antropóloga e psicóloga. Quando não está descalça atualizando seu blog, está sempre com os pés em um salto, de olho no que rola por aí.

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s